QUESTÃO 373 – YOUCAT: COMO DEVE UMA FAMÍLIA VIVER A FÉ EM SEU SEIO?

(Em edição) 

QUESTÃO 373: COMO DEVE UMA FAMÍLIA VIVER A FÉ EM SEU SEIO?

 

«O primeiro âmbito que a fé ilumina na cidade dos homens é a família» –  http://www.vidacrista.org.br/caminho-para-deus-234-como-viver-a-fe-na-familia.

YouCat responde: Uma família cristã deve ser uma Igreja em ponto pequeno. Todos os membros de uma família cristã são convidados a fortalecer-se reciprocamente na fé e a superar-se mutuamente no zelo por Deus. Devem rezar uns pelos outros e uns com os outros e realizar ações comuns de amor ao próximo [2226-2227].

E continuas: Os pais responsabilizam-se pela transmissão da fé aos seus filhos, pedem o seu Batismo e servem-nos, sendo para eles exemplo de fé. Isto significa que os pais devem fazer com que os filhos saibam como é valioso e agradável viver na presença e na proximidade do Deus que ama. A determinada altura, porém, os pais também aprenderão com a fé dos seus filhos e ouvirão como Deus fala por eles, porque a fé dos mais novos frequentemente está cunhada de maior entrega e “porque habitualmente o Senhor revela o melhor a uma pessoa mais nova” (São Bento de Núrsia, Regra 3,3).

Citações:

  • Amai-vos uns aos outros com amor fraterno! Rivalizai uns com os outros na estima recíproca! Não sejais indolentes no zelo, mas fervorosos no espírito! Dedicai-vos ao serviço do Senhor! Rm 12, 10-11)

REFLEXÃO

fe-familia-e3b1066601de7f69f00a1409f63956c6

Cultivando a árvore da fé cristã. http://opusdei.org.br/pt-br/article/fe-e-familia-na-nova-evangelizacao/

“Num lar cristão, “a fé e a esperança têm que manifestar-se na serenidade com que se encaram os problemas, pequenos ou grandes, que surgem em todos os lares, no ânimo alegre com que se persevera no cumprimento do dever. Assim, a caridade inundará tudo e levará a compartilhar as alegrias e os possíveis dissabores, a saber sorrir, esquecendo as preocupações pessoais para atender os demais; a escutar o outro cônjuge ou os filhos, mostrando-lhes que são queridos e compreendidos de verdade; a não dar importância a pequenos atritos que o egoísmo poderia converter em montanhas; a depositar um amor grande nos pequenos serviços de que se compõe a convivência diária.” [13]”. 




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *