QUESTÃO 423 – YOUCAT: COMO ENCARA A IGREJA A “BARRIGA DE ALUGUEL” E A INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL?

(Edição)

QUESTÃO 423: COMO ENCARA A IGREJA A “BARRIGA DE ALUGUEL” E A INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL?

barriga-aluguel

http://www.conradopaulinoadv.com.br/index.php/stj-25-anos-fala-de-barriga-de-aluguel/

YouCat responde: Tudo o que, na investigação e na medicina, ajuda na concepção de uma criança deve terminar quando a comunhão dos pais é diluída e destruída por uma terceira pessoa ou quando a concepção se torna uma ação técnica exterior à união sexual matrimonial [2374-2377].

E continua: Em respeito pela dignidade humana, a Igreja recusa a concepção de uma criança por inseminação heteróloga ou homóloga. Cada criança tem de Deus o direito de ter um pai e uma mãe, de conhecer esse pai e essa mãe e de se desenvolver no âmbito amoroso de âmbos. A inseminação artificial com o sémem de um homem estranho (inseminação heteróloga) destrói o espírito do matrimônio, no qual o homem e a mulher têm o direito de se tornarem pai e mãe através do respectivo cônjuge. Mas também a inseminação homóloga (quando o sémem provém do marido) faz da criança um produto de um procedimento técnico e não permite que ela surja da unidade amorosa num encontro sexual pessoal. Quando uma criança se torna um produto coloca-se imediatamente a cínica questão de qualidade e da responsabilidade pelo produto. A Igreja também regeita o diagnóstico genético pré-implantatório, realizado com o fim de excluir embriões imperfeitos. Finalmente, contradiz também a dignidade humana a “barriga de aluguél”, em que o embrião artificialmente gerado é colocado no útero de uma mulher extranha > 280.

Citações:

  • Todo aquele que olha para uma mulher e deseja possuí-la, já cometeu adultério com ela no coração. (Mt 5,28).

REFLEXÃO

No maravilhoso universo da Criação, a concepção humana, mais do que tudo, reveste-se da excelência de Deus, é algo muito sensível, que Deus cuida com especial carinho. 
Em sua essência, a concepção humana não deve ser manipulada à revelia de Deus, submetida técnica e irreverentemente aos ambiciosos desígnios do ser humano. 
Não deve ser esquecido que a primeira vez em que o ser humano ambicionou ser como Deus foi expulso do paraíso.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *