QUESTÃO 13: “PODE A IGREJA ENGANAR-SE EM QUESTÕES DE FÉ?”

Youcat Responde: “A totalidade dos crentes não pode errar na fé, porque Jesus prometeu aos Seus discípulos mandar-lhes o Espírito da Verdade e conservá-los na Verdade (Jo 14,17). {65-66.73}.”

 

E continua: “Tal como os discípulos acreditavam em Jesus de todo o coração, também um cristão pode confiar totalmente na Igreja se procurar o caminho da Vida. Efetivamente, se o próprio Jesus fez dos Seus Apóstolos participantes na missão de ensinar, a Igreja tem uma função educativa (MAGISTÉRIO) e não se pode calar. É certo que alguns membros da Igreja se podem enganar e até cometer erros graves, mas a Igreja, como um todo, nunca se poderá desviar da Verdade de Deus. A Igreja transporta, através do tempo, uma Verdade viva, que é maior que ela mesma. Fala-se de depositum fidei, o tesouro da fé, que deve ser preservado. Caso alguma verdade seja publicamente questionada ou deturpada, a Igreja é desafiada a trazer novamente à luz “aquilo em que se creu por toda a parte, em todos os tempos e por todos os crentes”, (São Vicente de Lérins, +450).

 

Conceituação/Youcat: 


Apóstolo (gr. apostolos = mensageiro, enviado):

“No Novo Testamento, aparece primeiramente como designação dos 12 homens que foram chamados por Jesus a ser os Seus mais estreitos colaboradores e testemunhas. Também, São Paulo pode entender-se como um Apóstolo chamado por Cristo.”

Magistério:

“É designação da tarefa da Igreja Católica de explicar a fé, interpretá-la com a assistência do Espírito Santo e protegê-la de adulteração.”

 

REFLEXÃO:

Por estes ensinamentos, podemos crer que a Igreja, como povo de Deus, é depositária dos ensinamentos de Cristo, e também, local de iluminação do Espírito Santo. Por isto, podemos afirmar que a Igreja é Santa. 

Por outro lado, sendo a Igreja constituída por homens e o homem susceptível de pecar, errar, devemos admitir que a Igreja também é pecadora, susceptível de se tornar divulgadora de falsidades e heresias. 

Em muitos momentos da sua história a Santa Igreja precisou da ajuda de Deus para trabalhar os corações da Igreja pecadora. 

Testemunhar, eis a vocação da Santa Igreja: 

Testemunhar em favor da Verdade sempre foi difícil. Jesus ensinou-nos como fazer isso, vejamos alguns exemplos: 

Jesus:

– Pregou a Verdade conforme o Pai lhe pediu; 

– Ensinou que do jeito que o ser humano se encontrava precisava nascer novamente; 

– Mostrou muitos sinais e até transfigurou-se diante dos seus amigos para provar quem realmente era e para que havia vindo a este mundo;

– Viveu entre os seres humanos aplicando a si mesmo tudo quanto ensinou; 

– Por fim, entregou-se em sacrifício pela causa do Pai e em favor da humanidade, ressurgindo de entre o mortos deste mundo, no terceiro dia, conforme havia predito.

O testemunho é entrega, combate, que leva ao sacrifício. Sacrifício que faz Santos e edifica a Santa Igreja.

Por isso, santa ou pecadora, toda a Igreja precisa estar atenta, orante e vigilante, para continuar guardiã do depositum fidei.



Pedro Furtado Leite Engenheiro Florestal aposentado.