QUESTÃO 228: QUEM PODE PERDOAR OS PECADOS?

resgate-por-amor--jesus-ajudando-um-menino-1a97d

Deus perdoa todos os pecados: sabercatolico.blogspot.com.br

YouCat responde: “Só Deus pode perdoar os pecados. “Os teus pecados estão perdoados!” (Mc 2,5), disse Jesus porque é o filho de Deus. E apenas porque Jesus lhes deu poder, os Sacerdotes podem perdoar no lugar de Jesus.” [1441-1442] 
E continua: “Alguns dizem: Entendo-me diretamente com Deus, e por isto não preciso de padres! No entanto, Deus quer fazê-lo de outra maneira. Ele conhece-nos. Naquilo que diz respeito ao pecado, costumamos fazer trapaça, varrendo o assunto para debaixo do tapete. Por isto Deus quer que expressemos os nossos pecados e os confessemos face a face. E para isto servem os sacerdotes: “Àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados; e àqueles a quem os retiverdes ser-lhes-ão retidos.” (20,23)”
 
“Converte-nos a Ti, Senhor, e nos converteremos.” Lm 5,21.
 “O arrependimento transborda do reconhecimento da verdade.” Thomas Stearns poeta estadunidense e inglês.
REFLEXÃO
Só Deus dá a vida e cabe somente a Ele retirá-la.
Quando?… 
Quando a própria natureza humana definha e, humildemente, entrega-se nos braços misericordiosos do Criador.
Porque as criaturas de Deus é em Deus que existem e é em Deus se enraízam; prosperam juntas porque tudo é dom, e doar-se é a lei maior; desenvolvem-se, realizam-se e depois fenecem, desaguando em Deus como um rio sereno que ao mar se entrega.
Feitos por vontade de Deus, brotamos do “faça-se”, somos escravos do Criador, não temos direito e não devemos querer realizar outra vontade senão a daquele que nos moldou. E fora dele não há futuro, não há realização, não há vida, não há ressurreição. 
Tudo é mistério de amor de um Deus pragmático, Criador insondável; pois, n’Ele tudo é doação, calvário, ressurreição. Afinal, é como diz o poeta: “viver é lutar e a vida é luta renhida que aos fracos abate aos fortes e bravos só pode exaltar”. 
Cristo, orou ao Pai porque amargo demais apresentou-se-lhe o cálice. Mas, nada fez para mudar-lhe o dissabor.  
Então, haveria ele de fraquejar?…  Não foi justamente para isto, para provar ao mundo que Deus nos pode exaltar, quebrar os grilhões da morte, vida plena nos dar?
É para nos resgatar e para nos elevar da condição de servos para a de amigos de Deus que bate o coração de Deus no peito humano de Cristo.  “Vós sois meus amigos, se fazeis o que vos mando. Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz seu senhor. Mas chamei-vos amigos, pois vos dei a conhecer tudo quanto ouvi de meu Pai”. (Jo 15,15)
Esta é a realidade da criatura humana: em parte, nos cabe saber administrar o património que recebemos das mãos do nosso Criador; em parte, somos reféns da própria natureza, porque somos barro e ao barro haveremos de tornar.
Obras das mãos de Deus e tornados filhos de Deus em Jesus Cristo, nos foi dado um destino glorioso. E Deus é tão bondoso que instituiu a Santa Igreja como instrumento de salvação e administração de tantos bens que, em Cristo, nos tornamos merecedores; entre eles, o perdão dos pecados, diante de Deus e de nossos irmãos.  
Aleluia!…  Cristo ressuscitou!…
Glória a Deus nas alturas e paz aos homens e mulheres de boa vontade!

 



Pedro Furtado Leite Engenheiro Florestal aposentado.