QUESTÃO 331 – YOUCAT: POR QUE EXISTEM, TODAVIA, DESIGUALDADES ENTRTE AS PESSOAS?

(Em edição)

QUESTÃO 331: POR QUE EXISTEM, TODAVIA, DESIGUALDADES ENTRTE AS PESSOAS?

 

desigualdades_sociais

RENDA E DESIGUALDADE SOCIAL RETOMAM FILME DE TERROR:                                         http://itapenoticias.com.br

YouCat responde: Todas as pessoas têm igual dignidade; porém, nem todas se acham nas mesmas condições de vida. A desigualdade entre as pessoas encontra-se em contradição com o Evangelho. Deus remete-nos uns para os outros ao munir-nos de dons e de talentos diferentes: no amor cada um deve compensar as carências do outro. [1936-1938, 1946-1947].

E continua: Existe uma desigualdade entre as pessoas que não provém de Deus, mas resulta dos comportamentos sociais, sobretudo da distribuição internacional de matérias-primas, propriedade e capital. Deus exige que exterminemos tudo o que está em clara contradição com o Evangelho e que despreza a dignidade humana. Existe, porém, uma desigualdade entre as pessoas que corresponde inteiramente á vontade de Deus: desigualdade nas aptidões, nas condições de partida, nas possibilidades. Aqui encontra-se um alerta: ser humano significa existir em amor para o outro, enfim, partilhar e possibilitar a vida. 61.

Citações: 

  • Deus diz: Eu queria que um estivesse em função do outro, e que todos os Meus servos partilhassem as graças e os dons que de Mim receberam. Santa Catarina de Sena.
  • Nada é realmente nosso até o partilharmos. C. S. Lewis

REFLEXÃO

Existem iguais e desiguais entre os seres humanos, e isto é muito bom quando resulta da providência misericordiosa de Deus. 
Iguais, somos todos os filhos de Deus, e todos aqueles salvos em nosso irmão e Senhor Jesus Cristo.
Desiguais, somos todos, igualmente, no usufruto da graça e dos dons de Deus, adaptados às circunstâncias que o próprio Deus nos coloca e nos subordina. 
Homem e mulher, jamais deverão e poderão ser iguais, e se isto se nos apresentar, algo de errado ai estará. 
O filho de um fazendeiro jamais poderá ser igual ao filho de um carpinteiro. E isto também é providencial, porque Deus qualifica o ser humano em, e para, sua luta quotidiana: trabalho que deve ter como fim supremo a vida e a aceitação da vontade do Pai Criador; luta que teve estar apoiada no bendito entendimento de que o Reino de Deus é o Império do Amor. 
Não convém fazer comparações entre pessoas, lamentar ou enaltecer suas diferenças; pois, se diferenças existem, devem ser reverenciadas, valorizadas. Afinal, nem sempre, conhecemos suas razões e significados. 

A Sagrada Escritura nos faz ver que foi o Demônio quem, diante de Deus e dos homens, plantou uma primeira, malvada, comparação: comparou a Pessoa de Deus à pessoa do homem, querendo igualar o que exibe apenas semelhanças. É certo que o fêz por inveja, ambição… Ele plantou em Eva e em Adão a semente da desobediência, do pecado da contradição. Mentirosamente, o malfeitor elevou-os diante de Deus, na incrivel comparação, SERES COMO DEUSES, dizendo-lhes: “[… ], mas Deus bem sabe que, no dia em que dele comerdes, vossos olhos se abrirão, e sereis como deuses, conhecedores do bem e do mal.” (Gn 3,5). 

Com isto, o mal, a desordem, entrou no mundo e originou a segunda comparação fatídica: Caím, em oblação a Deus, fez comparação entre suas ofertas e as de Abel, seu irmão. Infectado por inveja satânica, sentiu-se desprezado, e foi levado a tirar a vida daquele com quem, diante de Deus, se comparou. Foi asssim: “Passado algum tempo, ofereceu Caim frutos da terra em oblação ao Senhor. Abel, de seu lado, ofereceu dos primogênitos do seu rebanho e das gorduras dele; e o Senhor olhou com agrado para Abel e para sua oblação” (Gn 4, 3-4). 

Da comparação ao ódio: Abel voltou para Deus e a Caím foi dada a separação. 


Pedro Furtado Leite Engenheiro Florestal aposentado.