QUESTÃO 39: JESUS É DEUS? ELE PERTENCE À SANTÍSSIMA TRINDADE?

(em edição)
 
Youcat responde: ” Jesus de Nazaré é o Filho, a segunda pessoa divina, à qual nos referimos quando rezamos: “em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”. (Mt, 28,19) [243-260].
 
E continua: “Ou Jesus era um vigarista quando Se apresentou como o “Senhor do > SÁBADO” e deixou que fosse abordado com o título de “Senhor”, ou Ele era realmente Deus. Provocou escândalo quando perdoou os pecados; isto era, aos olhos de Seus coevos, um crime capital. Mediante milagres e sinais, mas especialmente através da ressurreição, os discípulos reconheceram quem era Jesus e adoraram-n’O como o Senhor. Esta é a fé da Igreja.”
 
Citações Youcat: “Vós chamais-me de Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque o sou. (Jo 13,13)”.
E nenhum outro há salvação, pois não existe debaixo do céu, outro nome. dado à humanidade, pelo qual possamos ser salvos.” (At 4,12).
 
pescador

Jesus: pescado de almas.

Leitura do Catecismo da Igreja Católica – CIC: [243-260]
Temas>:
-O PAI E O FILHO REVELADOS PELO ESPÍRITO
-A SANTÍSSIMA TRINDADE NA DOUTRINA DA FÉ
-A FORMAÇÃO DO DOGMA TRINITÁRIO
-DOGMA DA SANTÍSSIMA TRINDADE
-A UNIDADE DIVINA É TRINA.
-AS OBRAS DIVINAS E AS MISSÕES TRINITÁRIAS.
REFLEXÃO
 
Da desgraça à descrença:  Sem graça, sem fé e sem crença. 
Crer em Jesus Cristo, como Senhor, como segunda pessoa da Santíssima Trindade, é graça, é dom de Deus. 
Em suas aulas de catecismo, Padre Paulo Ricardo Azevedo Jr. diz que crer em Deus é esforço puramente humano para alcançar a Deus; crer é ato do intelecto. Já, a fé é a resposta humana à revelação, é fruto da graça de Deus; fé é resposta do ser humano ao Deus que se revela; fé é virtude teologal, é uma graça e, também, um ato humano; a fé tem Deus como origem e tem Deus como objetivo.
Por isso, podemos concluir que a falta da graça de Deus leva a descrença do ser humano; descrença é fruto da desgraça.  
O manancial da graça de Deus está disponível a todos os seres humanos de boa vontade, a todos aqueles que se dispuserem a abrir mão da própria vontade para viver conforme a vontade de Deus.
Quem quer abrir mão da própria vontade?
Diz a palavra de Deus que a graça de Deus age no silêncio e na solidão, às escondidas, como a semente plantada, e sua fecundidade é desproporcional à sua pequenez inicial, como o grão de mostarda.
O padre Paulo Ricardo de Azevedo Jr.:http://padrepauloricardo.org


Pedro Furtado Leite Engenheiro Florestal aposentado.