QUESTÃO 41: A CIÊNCIA NATURAL TORNA O CRIADOR DESNECESSÁRIO?

 (Em edição)  

Youcat responde:Não. A frase “Deus criou o mundo” não é um axioma rebuscado na ciência natural. Trata-se de uma afirmação teológica (theos =Deus, logos= sentido), isto é, uma asserção de caráter divino acerca do sentido e da origem das coisas. [282-289].”

E continua: “A narrativa da Criação não é um modelo explicativo científico-natural do início do mundo. “Deus criou o mundo”, é uma declaração teológica na qual se refere a relação do mundo com Deus. Ser criado é uma qualidade inerente às coisas e uma verdade elementar sobre elas.”
Citações Youcat: “Vós amais tudo o que existe e não odiais nada do que fizestes; porque, se odiásseis alguma coisa, não a teríeis criado. Sb 11,24.” 
 ——————
CIC = [282-289]: I. A CATEQUESE SOBRE A CRIAÇÃO

282) A catequese sobre a criação se reveste de uma importância capital. Ela diz respeito aos próprios fundamentos da vida humana e cristã, pois explicita a resposta da fé cristã à pergunta elementar feita pelos homens de todas as épocas: “De onde viemos?” “Para onde vamos?” “Qual é a nossa origem?” “Qual é o nosso fim?” “De onde vem e para onde vai tudo o que existe?” As duas questões, a da origem e a do fim, são inseparáveis. São decisivas para o sentido e a orientação de nossa vida e de nosso agir.

283) A questão das origens do mundo e do homem é objeto de numerosas pesquisas científicas que enriqueceram magnificamente nossos conhecimentos sobre a idade e as dimensões do cosmo, o devir das formas vivas, o aparecimento do homem. Essas descobertas nos convidam a admirar tanto mais a grandeza do Criador, a render-lhe graças por todas as suas obras, pela inteligência e pela sabedoria que dá aos estudiosos e aos pesquisadores. Com Salomão, estes últimos podem dizer: “Ele me deu um conhecimento infalível dos seres para entender a estrutura do mundo, a atividade dos elementos… pois a Sabedoria, artífice do mundo, mo ensinou” (Sb 7,17.22[a28] ).

284) O grande interesse reservado a essas pesquisas é fortemente estimulado por uma questão de outra ordem e que ultrapassa o âmbito próprio das ciências naturais. Não se trata somente de saber quando e como surgiu materialmente o cosmo, nem quando o homem apareceu, mas, antes, de descobrir qual é o sentido de tal origem: se ela é governada pelo acaso, um destino cego, uma necessidade anônima, ou por um Ser transcendente, inteligente e bom, chamado Deus. E, se o mundo provém da sabedoria e da bondade de Deus, por que existe o mal? De onde vem? Quem é o responsável por ele? Haverá como libertar-se dele?

285) Desde os inícios, a fé cristã tem-se confrontado com respostas diferentes da sua no que diz respeito à questão das origens. Assim, encontram-se nas religiões e nas culturas antigas numerosos mitos acerca das origens. Certos filósofos afirmaram que tudo‚ é Deus, que o mundo é Deus, ou que o devir do mundo é o devir de Deus (panteísmo); outros afirmaram que o mundo é uma emanação necessária de Deus, emanação esta que deriva dessa fonte e volta a ela; outros ainda afirmaram a existência de dois princípios eternos, o Bem e o Mal, a Luz e as Trevas, em luta permanente entre si (dualismo, maniqueísmo); segundo algumas dessas concepções, o mundo (pelo menos o mundo material) seria mau, produto de uma queda, e portanto deve ser rejeitado ou superado (gnose); outros admitem que o mundo tenha sido feito por Deus, mas à maneira de um relojoeiro que, uma vez terminado o serviço, o teria abandonado a si mesmo (deísmo); outros, finalmente, não aceitam nenhuma origem transcendente do mundo, vendo neste o mero jogo de uma matéria que teria existido sempre (materialismo). Todas essas tentativas dão prova da permanência e da universalidade da questão das origens. Esta busca é própria do homem.

286) Sem dúvida, a inteligência humana já pode encontrar uma resposta para a questão das origens. Com efeito, a existência de Deus Criador pode ser conhecida com certeza por meio de suas obras, graças à luz da razão humana [fca 30], ainda que este conhecimento seja muitas vezes obscurecido e desfigurado pelo erro. É por isso que a fé vem confirmar e iluminar a razão na compreensão correta desta verdade: “Foi pela fé que compreendemos que os mundos foram formados por uma palavra de Deus. Por isso é que o mundo visível não tem sua origem em coisas manifestas” (Hb 11,3[a31]).

287) A verdade da criação é tão importante para toda a vida humana que Deus, em sua ternura, quis revelar a seu Povo tudo o que é útil conhecer a este respeito. Para além do conhecimento natural que todo homem pode ter do Criador, Deus revelou progressivamente a Israel o mistério da criação. Ele, que escolheu os patriarcas, que fez Israel sair do Egito e que, ao escolher Israel, o criou e o formou, se revela como Aquele a quem pertencem todos os povos da terra, e a terra inteira, como o único que “fez o céu e a terra” (Sl 115,15; 124,8; 134,3).

288) Assim, a revelação da criação é inseparável da revelação e da realização da Aliança de Deus, o Único, com o seu Povo. A criação é revelada como sendo o primeiro passo rumo a esta Aliança, como o testemunho primeiro e universal do amor Todo-Poderoso de Deus. Além disso, a verdade da criação se exprime com um vigor crescente na mensagem dos profetas, na oração dos salmos e da liturgia, na reflexão da sabedoria do Povo eleito.

289) Entre todas as palavras da Sagrada Escritura sobre a criação, os três primeiros capítulos do Gênesis ocupam um lugar único. Do ponto de vista literário, esses textos podem ter diversas fontes. Os autores inspirados puseram-nos no começo da Escritura, de sorte que eles exprimem, em sua linguagem solene, as verdades da criação, da origem e do fim desta em Deus, de sua ordem e de sua bondade, da vocação do homem e finalmente do drama do pecado e da esperança da salvação. Lidas à luz de Cristo, na unidade da Sagrada Escritura e na Tradição viva da Igreja, essas palavras são a fonte principal para a catequese dos Mistérios “princípio”: criação, queda, promessa da salvação.

——————-

REFLEXÃO

A CIÊNCIA NATURAL TORNA O CRIADOR DESNECESSÁRIO?”

Fragmento de DNA, uma sequência química que contém as instruções genéticas para o desenvolvimento e função dos organismos vivos.

Esta pergunta tem sentido e valor quando feita a quem tem fé, a quem acredita que não existe criatura sem Criador e que o que existe não existe por si mesmo. 
A planta produz o fruto que produz semente que produz a planta.  A galinha produz o ovo que produz a galinha. Entretanto, houve um ponto de partida, um início fenomenal que escapa ao conhecimento humano, apesar da ciência.
O ser humano nasce ignorante, como o HD formatado de um computador. Está pronto para receber dados,  informações e tomar ciência a respeito do mundo que o circunda.  Um homem de ciência é apenas isto: um HD carregado de conhecimento.

E o que é ciência natural? 

 

Sem muitas delonga, pode-se dizer que a ciência natural, como a teologia, resulta do esforço humano. Na primeira, com o objetivo de conhecer e submeter a natureza e na segunda, para compreender ou especular a respeito de Deus.
Se o ser humano é apenas como um HD (Hard Disk = disco rígido) que irá receber conhecimentos, dados. É um ser inteligente, feito à imagem e semelhança de Deus, apenas isto… Portanto, não lhe cabe saber,  por si mesmo, a respeito de Deus e do início e do fim de tudo o que o cerca.
Aí, no início e no fim de tudo, está o Ser incriado, O Eterno Criador, a quem devemos aprender a reconhecer, agradecer,  amar e servir; e por quem devemos amar-nos uns aos outros, usufruir com respeito e dignidade dos bens naturais, obras das mãos poderosas do mesmo Deus Criador.

 



Pedro Furtado Leite Engenheiro Florestal aposentado.